terça-feira, 18 de agosto de 2009

A importância da criação Indoor

Existem muitos motivos para se manter um gato dentro de casa (criação indoor)

A Fiv, aids felina, é um deles

Gatos castrados e criados dentro de casa não se envolvem em brigas com outros gatos. Portanto, não correm o risco de se contaminar

Se você tem um gatinho e permite que ele dê umas voltinhas por aí, se você acha que gatos precisam desse tipo de liberdade, leia com atenção o post de hoje


Lembram do gatinho briguento?

Ele tinha muitas cicatrizes e dentição comprometida. Então, resolvi testá-lo para Fiv/Felv


Bolinha azul à esquerda indica a presença de anticorpos do vírus da imunodeficiência dos felinos

O gatinho é Fiv +


Fiv = vírus da imunodeficiência dos felinos, também conhecido como Aids felina




Importante! Não é o mesmo vírus que transmite a Aids aos humanos. Fiv não é transmitida para outras espécies

Ao contrário da Felv, que é facilmente transmitida entre gatos sociáveis, a transmissão da Fiv se dá principalmente por mordidas que causem ferimentos profundos

Por isso a maior incidência é entre machos não castrados que têm acesso à rua

O contágio ocorre durante as brigas típicas de disputa por território

Algumas pessoas devem estar se perguntando porque soltei o gato novamente sabendo que ele é positivo

Porque eu nunca autorizaria a eutanásia de um gato Fiv+ assintomático

Um gato Fiv + pode viver muitos anos sem nunca desenvolver a doença. E não podemos esquecer que o exame pode dar falso positivo.

Mas, e se ele for realmente Fiv +, vai transmitir o vírus para outros gatos?

A transmissão da Fiv se dá através de brigas. Gatos castrados tendem a não se envolver nas brigas e disputas por território.

Portanto, a castração dos gatos do cemitério é a principal forma de diminuir o comportamento de alto risco, ou seja, as brigas entre os gatos. Reduzindo, assim, a disseminação do vírus entre eles

Desde o início desse trabalho no cemitério, tenho lido sobre o que é feito nos outros países

Aprendi muito com trabalhos semelhantes, busquei inspiração e soluções

Agora, ao me deparar com a Fiv, novamente procurei saber o que os outros projetos fazem a esse respeito

Veja o que pensa a Associação Animais de Rua:

Eutanasiar os animais infectados é ineficaz na gestão de uma colónia. Remover um gato positivo de uma colónia não elimina o risco de infecção nos outros gatos, que muito provavelmente já estiveram expostos ao vírus

A Associação Animais de Rua, à semelhança de praticamente todas as associações europeias e americanas de TNR (Trap-Neuter-Return), em português CED (Capturar-Esterilizar-Devolver), opõe-se à eutanásia de gatos silvestres/assilvestrados simplesmente pelo facto de terem sido submetidos a testes que acusam o vírus FIV ou FeLV

Durante a pesquisa que fiz, uma frase em especial, me tocou profundamente:

"The fate of a cat should not hinge on one positive test"
http://www.solanoferals.org

"O destino de um gato não deveria depender de um teste positivo"


Essa frase me tocou porque eu tenho, na minha casa, um gato Fiv +

Um gato adotado da rua, já adulto, cheio de marcas de brigas

Um gato que vai completar 15 anos de vida, saudável apesar do vírus

Por isso, repito, eu nunca autorizaria a eutanásia de um gato Fiv+ assintomático


Então, o gatinho briguento voltou ao cemitério


Gostaria que todos os gatos do cemitério encontrasse um lar de verdade

Mas isso não é possível

O que posso fazer por eles é providenciar a castração do maior número de gatos que eu conseguir capturar

E é isso que vou continuar fazendo

Enquanto puder...


Agradecimento especial à Maria Pinto Teixeira, presidente da Associação Animais de Rua que autorizou a utilização do material disponibilizado em seu site

6 comentários:

Maira disse...

Muito bom e importante este post!
Parabéns pelo seu trabalho!!!
Bjs.

Amanda disse...

que dor que dá ver ele indo embora... deve ser difícil pra você...

Lidiane disse...

Maravilhoso!! Adorei o post.
Parabéns
Bjão

Adriana Band disse...

Seu trabalho é maravilhoso, e deveria servir de exemplo a muita gente por aí! Parabéns!

Ana m s disse...

Chorei por ele lendo seus comentários, é triste mas ele está vivo e bem!

paula disse...

Parabéns, Patrícia! Seu trabalho é muito importante, tanto para o bem estar dos gatos do cemitério, como para a conscientização das pessoas. Sem contar o trabalho de adoção, q é um dos melhores q conheço. Obrigada por tudo. Beijos. Paula.